Dunkirk – Cultura Pop A Rigor

Dunkirk – Cultura Pop A Rigor

Direção: Christopher Nolan
Elenco: Mark Rylance, Cillian Murphy, Tom Hardy, Harry Styles, Kenneth Branagh.
EUA, 2017


Eu nem pretendia escrever sobre Dunkirk, mas o longa dirigido por Christopher Nolan foi indicado ao careca dourado essa semana e aqui no CPR a gente fica na noia de assistir e comentar todos os indicados na categoria principal. Well, nunca fui “reiter” do Nolan e até já fui meio nolanete até o TDKR (que considero seu pior filme disparado). Dito isso, gostei de Dunkirk.


Não tem como dizer que o filme não acerta no que se propõem, que é te colocar dentro da ação. Funcionou comigo e eu nem vi a bagaça em IMAX. O que importa aqui são os eventos e a obsessão de Nolan por mostrar acontecimentos em diferentes escalas de tempo como se tivessem acontecendo simultaneamente. As preocupações com personagens e diálogos são minimas (em verdade, os diálogos são tão fracos/desnecessários que poderiam ter sido cortados).


Kenneth Brannagh está ali para soltar os diálogos expositivos de praxe, Cillian Murphy não tem muito o que fazer com seu personagem patético. Tom Hardy com a cara coberta quase o tempo inteiro de novo (e ainda assim é o melhor ator em cena). O popstar Harry Styles não compromete e Mark Rylance faz bem o seu feijão com arroz com o personagem clichê que lhe coube. Enfim, esses personagens pífios me impedem de colocar Dunkirk em uma lista de melhores filmes de guerra. Acho isso imprescindível no gênero, modos que tem a morte de um personagem importante- e inocente- no decorrer da trama e e eu nem me abalei.


Dois dos maiores méritos de Dunkirk são a fotografia de Hoyte van Hoytema e a trilha sonora de Hans Zimmer, responsável por grande parte da tensão criada pelo filme. Ambos foram merecidamente indicados ao Oscar, assim como o som e mixagem de som (que merecem ganhar de Baby Driver). Fica a dica para o lançamento de uma versão só com trilha.


Enfim, não achei Dunkirk o filme maravilhoso que muitos apontam e nem o desastre que outros dizem ser. É um filme bacaninha que infelizmente não paga todos os cheques que o ego do Nolan emite.


Essa cotação tá meio altinha, hein? Vai pela duração certeira. Nolan voltou a fazer filmes com menos de duas horas. Vamos comemorar.

A quem interessar, saiu, também no ano passado, Operação Dunkirk dos espertalhões da Asylum. 13 pessoas já foram enganadas e assistiram o troço pensando se tratar do Dunkirk nolanesco. Confira na página do embuste no Filmow

Tá certo que  muita gente acha Nolan um cineasta medíocre, mas ai…pqp, né? Hahaha

 

OBS: Perdoem qualquer coisa que eu escrevi esse texto acometido por uma virose do carvalho!

Matéria Original

Siga e curta nas redes sociais:

Deixe uma resposta