Aos amantes de quadrinhos, lhes apresento um novo amor: Nimona » Soul Geek

Aos amantes de quadrinhos, lhes apresento um novo amor: Nimona » Soul Geek

Uma das minhas últimas leituras de 2017 foi a graphic novel “Nimona”. Faziam alguns meses que eu paquerava esse quadrinho, lia muitas críticas positivas e, no dia em que me perguntaram o que eu queria de natal, meu coração deu um salto de alegria. Finalmente, eu teria “Nimona” na minha estante. E assim nasceu meu novo crush fictício.

Nimona é uma metamorfa e seu maior sonho é ser comparsa do vilão Ballister Coração-Negro. Um dia, simplesmente batendo na porta dele, ela consegue o emprego. Planejando diversas situações malignas, Nimona aprimora os planos de Ballister, que apesar de ser o pior vilão de todos, tem um código de regras rigoroso e é até meio certinho. Eles lutam contra Sir Ouropelvis e a Instituição de Heroísmo e Manutenção da Ordem, que aparentemente não são tão bonzinhos quanto pregam.

O quadrinho possui uma história subversiva, irreverente. Nem tudo o que parece bom é bom, e nem tudo o que parece mal precisa ser mal. Através de diálogos leves, temos que encarar diversos questionamentos, que vão desde velhas ideias do que é certo e errado, quem é bom ou mal, até sobre lealdade, amor e confiança.

Personagens

Nimona é uma personagem apaixonante, pelo menos para mim. Ela é jovem, cheia de ideias, de vida, de criatividade, e possui uma tendência natural ao vilanismo. O relacionamento dela com Ballister é tão fofo que é impossível não enxergar neles uma família feliz, com o vilão cuidando de Nimona como se fosse uma filha. Uma filha um pouco malcriada, rebelde, mas nada disso importa para ele. Ballister é paciente, calculista, com alma e pensamento de cientista, sempre buscando saídas, pensando em estratégias. Os diálogos trocados entre os personagens vão evoluindo, a química e a relação deles sempre construída em uma base bem sólida. É lindo de se ver.

Sir Ouropelvis é o típico herói: armadura dourada, longos cabelos loiros e lisos, com uma carinha de anjo e discursos profundos e cheios de justiça. E tudo isso é feito para contrastar com a armadura escura de Ballister, seus cabelos negros, suas imperfeições que saltam aos olhos, como o braço mecânico. Eles são dois lados da mesma moeda, feitos propositalmente de maneira estereotipada, para assim trazer em pauta um questionamento ainda mais profundo sobre a natureza do pré-julgamento e das aparências. Afinal, quem parece um vilão realmente é?

O trabalho gráfico desse quadrinho é lindo. A capa é maravilhosa, rica em detalhes. Cada olhadela é algo novo para se encontrar. Gostei muito do traço.

A qualidade das páginas usadas são um plus. Fica mais caro? Fica, mas também fica mais difícil de se estragar. Nada de coisa de baixo orçamento!

A utilização das cores é algo importante também, como já citei. Sir Ouropelvis é retratado sempre com cores claras, Ballister em paletas escuras e Nimona em tonalidades vivas, como vermelho e roxo. O balanço disso dentro dos quadros é muito legal, agradável aos olhos e muito significativo.

E já que eu citei preço, na minha opinião, ele equivale à excelente qualidade e o cuidado incrível que tiveram para produzir essa graphic novel. A tradução está ótima, e não encontrei erros de digitação (no momento meio traumatizada, pois estou lendo a continuação de uma coleção de livros que eu amo, e está LOTADO de erros de digitação e tradução).

Conclusão

Nimona” foi escrito por Noelle Stevenson e foi premiada com um Eisner Award, além de ter ganhado o Slate Cartunist Studio Prize de Melhor webcomic. E mesmo se não tivesse ganhado prêmios, ainda seria uma obra digna de ser adquirida e lida. Eu estou simplesmente apaixonada por Nimona e acho que todo mundo deveria se apaixonar também.

Visto Primeiro Aqui

Siga e curta nas redes sociais:

Deixe uma resposta