Dia: 5 de Abril de 2018

Crítica: Um Lugar Silencioso » Soul Geek

Crítica: Um Lugar Silencioso » Soul Geek

Admito que, quando se trata de filmes de terror, é sempre um grande desafio me assustar. Não que seja difícil se divertir com o gênero, muito pelo contrário (os grindhouses estão aí para provar isso). Mas, para mim, conferir um novo filme de terror é ir preparado para receber um pouco mais do mesmo: os famosos “jump scares”. Essa famosa técnica utilizada para arrancar sustos da platéia, agora saturada pela indústria cinematográfica, banalizou os filmes do gênero de tal forma que, hoje, o público dificilmente consegue distinguir medo de susto. Talvez seja esse o grande vilão de algumas obras-primas atuais, como “A Bruxa”, que terminou não recebendo o respeito merecido. Uma pena, afinal é muito fácil assustar. Porém, despertar os piores demônios no nosso inconsciente, arrancar aquela sensação de frio na barriga e, até mesmo, nos deixar algumas noites sem dormir, esse sim é um trabalho para mestres. “Um Lugar Silencioso” não exclui os “jump scares”, mas sabe trabalhar com algo muito mais agonizante do que uma trilha sonora propositalmente inserida para assustar: o silêncio. Saiba Mais...

Siga e curta nas redes sociais: